Em clima de pré-campanha, Everaldo Dias é recebido por amigos em Sairé

O ex prefeito de Sairé Everaldo Dias foi recebido por amigos e lideranças políticas na manhã de ontem em saire. Sobre animação e os gritos de “meu prefeito”, o tom mostra que a sucessão 2020 ja se iniciou na terra na laranja.

Everaldo esteve ao lado de amigos, empresários e do médico Dr Marcílio. Ele foi recebido no trevo da cidade, e em seguida ao som de buzinas de carros foi ate sua residência. Onde abraçou e apertou nas mãos de cada pessoa presente, ele chegou a ser carregado pelos braços.

A demonstração de ontem, já mostra como será a eleição municipal que está por vir.

Aprovada emenda de Danilo Cabral que assegura recursos para educação

A Comissão de Orçamento do Congresso Nacional aprovou emenda do deputado federal Danilo Cabral (PSB) à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO 2020) que proíbe o governo federal de cortar o orçamento do Ministério da Educação. Pelo texto, os recursos destinados ao MEC no próximo ano não poderão ser inferiores ao valor pago em 2019, corrigido pela inflação. “A educação, como sempre pregamos em nosso mandato, deve ser uma área prioritária, por isso, queremos preservar o orçamento do setor”, explica o parlamentar.

Neste ano, o governo Jair Bolsonaro já contingenciou R$ 6,1 bilhões do Ministério da Educação de um orçamento inicial de R$ 25 bilhões. Esses cortes, a partir de uma análise dos dados disponíveis no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (SIOPE), afetaram todas as áreas, do ensino básico ao superior, com descontinuidade de ações importantes, como a interrupção de pesquisas.

“Apesar da tentativa retórica de amenizar a gravidade desses cortes, as condições impostas pelo bloqueio do orçamento, em especial no caso das universidades e institutos federais, que dependem basicamente do orçamento da União, ameaça diretamente o funcionamento das instituições”, explica Danilo Cabral.

A LDO norteia o orçamento do governo federal para 2020 e é o primeiro passo para a definição de onde serão gastos os recursos, que será estabelecido na elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA). A matéria aguarda para ser votada pelos parlamentares em uma sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado. Em seguida, irá para sanção presidencial.

TCE recomenda devolução de verba indenizatória dos vereadores. Vereador Caca PSD nunca recebeu

“O presidente da Câmara de Vereadores, Gabeira (PP), não vai conseguir os votos necessários para aprovar lei que acaba com a verba de gabinete dos vereadores. A informação é que se formou maioria no legislativo contra a proposta e que ela não passa na comissão. Em janeiro o presidente chegou a suspender o pagamento, mas a pressão dos pares o fez recuar. Outra proposta que não deve ganhar espaço no legislativo é a que reduz o salário dos vereadores ao mínimo.”

O texto acima é integral do site Bezerro Hoje, que não lembrou de mensurar que o vereador Caca ex presidente da casa, não recebe os recursos nem nunca quis receber. A propósito é uma pauta que Bezerros ja conhece a opinião do vereador PSDista.

Passava da meia noite quando o texto-base da Reforma da Previdência foi aprovado em 2º turno na Câmara

Já era madrugada, com o relógio marcando 0h38 desta quarta-feira (7), quando o texto-base da reforma da Previdência foi aprovado em 2° turno na Câmara dos Deputados. Foram 370 votos a favor, 124 contra e 1 abstenção. Embora possa ter parecido uma vitória “folgada”, foi preciso um longo dia de articulação para garantir o quórum necessário para a votação do segundo turno da reforma da Previdência. Eram necessários 308 votos favoráveis dos deputados federais. A votação dos destaques acontecerá nesta quarta-feira (7), em sessão marcada
para iniciar às 9h.

Às 19h50, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou, de forma simbólica, um requerimento de quebra de interstício – ferramenta regimental que permite “pular” o prazo de cinco sessões entre um turno e outro para a votação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC).

Nesta fase, só são admitidos destaques supressivos, que podem retirar trechos da proposta aprovada no início de julho. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), armou, na tarde desta terça, que está organizando a votação dos destaques supressivos que serão apresentados pela oposição com os líderes partidários. Para que um destaque seja derrubado, serão necessários 308 votos.

Veja mais detalhes da votação na cobertura do NE10 AQUI