Três foram presos após assaltar estabelecimento comercial em Bezerros, um deles foi baleado na troca de tiros com a PM

Policiais militares de Bezerros realizavam rondas pelas ruas da cidade quando receberam informações de possíveis disparos de arma de fogo em um bar da cidade. Chegando ao local, Bar do Peixe, no bairro Nossa Senhora Aparecida, constaram o fato. Três elementos armados fizeram assalto ao bar e atiraram contra uma das vítimas.

Nesse momento, uma outra vitima acompanhou os bandidos, sem eles perceberem, e denunciou a rota de fuga dos marginais: A BR 232 sentido Caruaru. A ROCAM Bezerros e GT 4310 se comunicaram e juntos abordaram o automóvel denunciado. Um dos bandidos disparou contra o efetivo policial, no qual revidou de pronto a injusta agressão atingindo um dos indivíduos. De imediato o efetivo prestou socorro ao elemento baleado e fez a prisão dos outros dois elementos, onde os mesmos estariam com vários objetos roubados das vítimas que estavam no bar. Os bandidos foram identificados por Felipe Leal da Silva, Leandro José de Moura e Gleivison Fernando dos Santos, todos oriundos de Caruaru.

Diante dos fatos a ocorrência foi conduzida até a delegacia de Caruaru, enquanto o bandido baleado foi transferido até o Hospital da Restauração em Recife. Com o trio, a polícia apreendeu: 05 celulares, 01 Revolver cal. 38, 01 Revolver cal. 32, 03 Relogios é R$ 355,25 em espécie, além de vários outros pertences pessoais. O trio responderá por tentativa de latrocínio, roubo e tentativa de homicídio.

Efetivo: SD. Joseilsso, SD. D. Filipe , SD. Alen, CB Mota e SD Leandro

Bezerros 24h

Em 30 dias Breno enfrenta desafios e colocou ritmo diferenciado na gestão

A cidade de Bezerros viu um dos seus episódios políticos mais inusitados os últimos anos. Acostumada com ocasiões atípicas em gestões, muitas vezes trágicas ou com envolvimentos judiciais, dessa vez o fato se deu depois da renúncia do ex-prefeito Branquinho deixando o comando da cidade nas mãos do vice, Breno Borba que assumiu no dia 02 de maio.

Branquinho deixa a cena política de Bezerros depois de seis anos para gerir a ARPE no Governo do Estado. Desde então, Breno, que até o momento teria assumido a prefeitura por algumas vezes, ficou definitivamente no cargo com mandato até dezembro de 2020. De lá pra cá, já se passaram 30 dias e o que mudou no cenário político e administrativo da cidade?

É fato que Branquinho tenha se desgastado no cargo devido a inúmeros problemas que enfrentou, desde crises financeiras que nunca foram vistas em Pernambuco, até a formação alianças políticas locais que não agradaram “gregos nem troianos”, causando mal-estar em alguns setores da gestão municipal. Passado à parte, Breno Borba chegou com a missão de desatar alguns nós e alguns deles bem entrelaçados.

O primeiro deles foi agravado com o bloqueio do Fundo de Participação do Município (FPM) após a constatação de irregularidades no ano de 2016 na pasta da saúde. Breno enfrentou esse desafio indo até Brasília no Ministério da Saúde, precisou ir na justiça para reaver a verba bloqueada e assim conseguiu em poucos dias. Montou um secretariado que agregou nomes produtivos para cidade, como também relocou outros para pastas de maior execução e articulação.

Breno também conseguiu resgatar eventos importantes como a festa de emancipação política. Reuniu parceiros e promoveu um evento em conjunto com empresas e artistas que presentearam a cidade. Ainda na área de eventos, ele inovou apostando no diferencial para o São João de Bezerros. Desfocando um pouco a Serra Negra e dando holofotes também para os bairros, prestigiando comunidades e resgatando o São João de rua da cidade. O lançamento dos festejos, ocorrido nesta sexta-feira (31), mostrou a ousadia da equipe em diferenciar um evento já consolidado no calendário junino de Pernambuco.

Mostrando articulação política, Breno também garantiu através do deputado Danilo Cabral duas emendas que vão beneficiar Bezerros, uma deles para a compra de uma viatura que vai reforçar a Guarda Municipal e outra para uma ambulância. O anúncio foi feito pelo próprio deputado na página do facebook.

Nas redes sociais Breno apareceu com mais destaque. Não precisando usar “moletas” no nome do pai, o ex-prefeito Marcone Borba que hoje é o principal nome político de Bezerros, ele tem se destacado pelo carisma e simplicidade, tanto no lado pessoal como nas ações como gestor. Na primeira semana na Prefeitura, reuniu-se com associações, visitou bairros, atendeu solicitações de moradores e tem mantido a tônica em dizer que não pode fazer tudo, mas vai fazer o que pode.

Breno ainda tem ásperos desafios para enfrentar, um deles é a crise econômica e o enxugamento da folha que lhe foi entregue bem acima do recomendado pelo Tribunal de Contas de Pernambuco. Há também que lidar com insatisfações de setores do legislativo que já declararam fazer oposição à Prefeitura usando inclusive meios de comunicação no bem conhecido bordão do “quanto pior melhor”.

Ainda falando em legislativo, esse foi o primeiro setor que Breno se dirigiu em momentos de dificuldades nesses 30 dias, deixando claro que quer jogar na transparência, doa a quem doer. Apesar de ainda jovem, tem mostrado respeito e exigiu que da mesma forma fosse tratado.

Prefeito de Belo Jardim expulsa vereadores da base que queriam mandar na prefeitura

O Prefeito de Belo Jardim, Hélio dos Terrenos (PTB), expulsou dois vereadores da sua base aliada. Os parlamentares Marcos Buchudo (PSB) e Evandro Macarrão (DEM) que agora não integram mais a base municipal.

Segundo Hélio, a decisão foi tomada após ele constatar que os vereadores queriam “manter o perfeito em rédea curta, de forma benéfica para ele”. O anúncio foi feito em sua rede social através de um vídeo. Os detalhes, ainda de acordo com o Prefeito, não serão expostos, mas as correntes políticas do município acreditam que a expulsão veio depois que foram identificados mandos e desmandos que iam de encontro as decisões da gestão.

Em nota divulgada também nas redes sociais, o vereador Marcos Buchudo disse que apenas estava fazendo críticas positivas que não foram aceitas. Ele teria ficado descontente com atrasos de salários e pagamentos de transportes, além de outros serviços municipais.

Lula diz que recebeu carta do Papa com mensagem para “não desanimar”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva divulgou em seu site oficial uma carta na qual, segundo a equipe do petista, o Papa Francisco lamenta as “duras provas” pelas quais o líder político tem passado e manifesta solidariedade pelas mortes de sua mulher, Dona Marisa, do irmão Genivaldo Inácio da Silva e do neto de 7 anos, Arthur Araújo Lula da Silva. Na missiva, datada de 3 de maio, o Pontífice pede coragem para o político “não desanimar” e “continuar confiando em Deus”. A carta foi revelada pela jornalista Monica Bergamo, da “Folha de S. Paulo”, e divulgada na manhã desta quarta-feira pelo site oficial de Lula. A mensagem do Papa seria uma resposta a uma carta do ex-presidente, que escreveu ao chefe do Vaticano em abril para agradecer a contribuição do líder católico na defesa dos direitos dos mais pobres e relatar seu estado de ânimo sobre o contexto sociopolítico do Brasil.

Na carta, o Papa teria apontado que tais considerações sobre a política brasileira lhe serão “de grande utilidade”, mas não tece comentários sobre a situação judicial do líder petista, preso desde abril do ano passado em Curitiba por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no bojo da Operação Lava-Jato. “Tendo presente as duras provas que o senhor ultimamente, especialmente a perda de alguns entes queridos – sua esposa Marisa Letícia, seu irmão Genival Inácio e, mais recentemente, seu neto Arthur de somente 7 anos -, quero lhe manifestar minha proximidade espiritual e lhe encorajar pedindo para não desanimar e continuar confiando em Deus”, diz a carta divulgada com a assinatura de Francisco.

O site oficial de Lula destaca que Francisco enviou um rosário abençoado a Lula, em 2018. Na época, o Vaticano esclareceu que o advogado argentino Juan Grabois, responsável por levar o terço bento ao ex-presidente na prisão, visitou o petista “a título pessoal” , não em nome de Francisco. Na carta do começo de maio, o Papa teria citado a época de celebrações pela ressurreição de Jesus Cristo e descrito a Páscoa como um momento de despertar esperança na humanidade e passar “da escuridão para a Luz”, “do pecado para a amizade”, do “desespero para a alegria serena”. Neste contexto, Francisco teria escrito que “o bem vencerá o mal, a verdade vencerá a mentira e a salvação vencerá a condenação”. “Ao assegurar-lhe a minha oração a fim de que, neste tempo pascal de júbilo, a Luz de Cristo ressuscitado o cumule de esperança, peço-lhe que não deixe de rezar por mim. Que Jesus lhe abençoe e a Virgem Santa lhe proteja”, destaca a carta.

Fonte: O Globo