Médicos brasileiros querem ficar nas capitais

Dos dez primeiros médicos brasileiros que se inscreveram nesta quarta-feira (21) para as 8.517 vagas deixadas pelos cubanos, cinco deles escolheram atuar em capitais e municípios de regiões metropolitanas.

Apenas um município escolhido é considerado de extrema pobreza. Outro está em área vulnerável e um terceiro em uma cidade com até 50 mil habitantes.

O Ministério da Saúde recebeu mais de 1 milhão de acessos simultâneos no momento da abertura das inscrições. Segundo a pasta, o número representa mais do que o dobro de médicos em atuação no país e pode ser considerado ataque cibernético.

E um grupo de médicos cubanos de Guarulhos se organizou para vender móveis e eletrodomésticos antes de deixarem o país. A página do Facebook Desapego Mais Médicos Cubanos foi criada por Ernesto Nascimento, que tinha dois anos quando foi preso e classificado como subversivo pela ditadura militar.

Blog do Magno

Facebook Twitter Email