O Sabadão – Pra não falar de um assunto só!

Por Sérgio Leão

Prudência quando for visitar o Brasil

Chamou-me a atenção uma matéria veiculada pela grande mídia brasileira esta semana, falando sobre uma advertência das empresas de turismo nos Estados Unidos, alertando aos seus clientes, da necessidade de serem prudentes e cautelosos, quando seus destinos turísticos forem visitar o país do carnaval, do futebol e da corrupção, BRASIL. Logicamente se referem a incontrolável onda de violência que domina o país verde e amarelo em todos os recantos urbanos, e agora da mesma forma desenfreada, também  os recantos rurais, antes tidos como tranquilos. Não sou um turista internacional, mas tenho parentes e amigos que viajam mundo afora, e para eles (as) isto não é novidade nenhuma, pois há muito se tem uma impressão suja do povo brasileiro, em razão da enxurrada de notícias sobre a nossa “corrupção modelo” e sobre tudo a violência nas ruas das principais cidades turísticas brasileiras. Há uma rejeição por brasileiros que tem feito alguns compatriotas desistirem de visitar países onde a ética e a moral estão acima dos outros interesses, embora nem todos os brazukas sejam almas sebosas como a maioria, que fazem os visitantes do mundo todo recearem vir ao nosso país lindo, onde centenas de turistas já foram vitimados pela violência nacional.

A metamorfose piorada

Lembro bem quando era adolescente e já vivia envolvido na política, como locutor e especialmente como militante do partido que mais representava o povo brasileiro na busca por mudanças, eleições diretas e justiça para os supostos mártires da ditadura militar, o MDB. Não conto as vezes que saíamos em passeata pela Avenida Conde da Boa Vista, em Recife, gritando refrãos e palavras de ordem, liderados pelos nossos imaginários heróis da política brasileira e símbolos das lutas populares; milhares de pernambucanos tomavam as avenidas recifenses, munidos de muita coragem para pressionarem os ainda poderosos generais que ocupavam a presidência do país, pelas eleições diretas. O povo ia as ruas com afinco e determinação, e assim conseguimos as eleições diretas e a soberania democrática do Brasil. No entanto, com o tempo as mudanças que esperávamos, foram acontecendo de forma distorcida e a grande maioria dos nossos falsos heróis foi se bandeando para a indecência e o corporativismo nacional, até chegar a essa situação desavergonhada que enfrentamos hoje; e os mártires ainda vivos também foram sendo desmascarados, praticando os mesmos devaneios e até piores, que na época da ditadura; paralelamente o povo que ia as ruas nas décadas de 60, 70 e 80,  também foi passando por uma metamorfose piorada, e hoje a nação assiste caladinha as artimanhas do congresso nacional, que em pouco tempo fará deste país um aglomerado de desesperados que não terão nenhum prazer em viver, pois nada terão para serem considerados pelo menos imitações de gente.

Facebook Twitter Email