O Sabadão – Rio de Janeiro, um antro da corja nacional

Por Sérgio Leão

O estado do Rio de Janeiro, que tem o Cristo de braços abertos em sua capital, conhecida mundialmente como “Cidade Maravilhosa”, vem sendo pontuado na história da corrupção nacional com amplo destaque, negativo demais, é claro. Com a prisão do governador Luís Fernando Pesão, o Rio ratifica sua condição de um estado onde se abrigam mais corruptos neste país e talvez isto explique um pouco, as razões pelas quais dificilmente temos um carioca n a presidência do Brasil, embora o Bolsonaro milite politicamente por lá. Com este já são quatro governadores cariocas que experimentam as barras de ferro das cadeias, mas este é o primeiro ainda no exercício do mandato. Existem entre eles particularidades: as caras cínicas e o amor que o povo do Rio de Janeiro tem por eles, pois mesmo sendo ladrões safados da pior qualidade, estão sempre ganhando eleições, ou seja: o povo faz apologia a corrupção no Rio, com a mesma naturalidade com que os menores fazem arrastões pelas principais praias e no centro da cidade. Pezão, Cabral e o casal Garotinho (Anthony e Rosinha), são o que podemos chamar de carniça viva, abocanharam bilhões de reais, deixando o povo carente na pior das situações, não conseguindo honrar absolutamente nada com os funcionários públicos.

Quem não se lembra da encenação patética do Garotinho, quando foi preso, ou do vídeo em que ele e a Rosinha aparecem na praia ironizando e se divertindo às custas dos milhões que roubaram do Rio de Janeiro? E a farra dos guardanapos, em Paris? O vagabundo do Sérgio Cabral e seus cúmplices, em um restaurante de luxo, bem doidões, se exibindo com as cabeças cobertas com guardanapos de finas sedas. Agora vem o Pesão, que nem precisa dizer nada sobre ele, basta olhar para sua cara nojenta, que já identificamos um homem sem a mínima dignidade e moral de porco. Em suas trajetórias políticas tiveram inexplicavelmente sucessivas vezes a aprovação da maioria dos cariocas, ora em um mesmo lado, ora divididos em dois palanques, e em ambos roubar era o lema. Além destes facínoras ainda tem o Eduardo Paes, que está bem encaminhado para ser preso também, e nunca é demais lembrar que foi no Rio de Janeiro que o povo evangélico sempre deu vitórias ao diabólico pastor e vagabundo de carteirinha, Eduardo Cunha, que também está trancafiado. A pergunta que fica é: o que fez um povo tão lutador e tão bacana como o povo carioca, aprovarem as administrações calamitosas e corruptas destes bandidos de gravatas? Há quem diga que quem vota neles são os favelados, da mesma forma que há quem diga, que quem elege os corruptos e palhaços em São Paulo, são os nordestinos. Será?

Facebook Twitter Email