Vereador atropela 30 motociclistas com caminhonete e mata três na PE-96, em Água Preta

Um grave acidente deixou três mortos e cinco feridos neste domingo (23) na PE-96, em Água Preta, Mata Sul de Pernambuco. De acordo com o Corpo de Bombeiros, uma caminhonete colidiu em um grupo de cerca de 30 motociclistas. Integrantes do plantão policial da Delegacia de Polícia Civil de Palmares, na mesma região, foram até o local, assim como peritos do Instituto de Criminalística.

Ainda segundo os bombeiros, o motorista da caminhonete atingiu o grupo frontalmente na rodovia. Segundo a Polícia Militar, o condutor foi levado à Delegacia de Palmares, onde será submetido ao teste do bafômetro.

O G1 conversou por telefone com a delegada de plantão, Juliana Bernart, que confirmou que o condutor da caminhonete foi levado para a delegacia. “Ele irá prestar depoimento e passar por exames traumatológico e toxicológico”, disse. A delegada informou que o motorista é vereador de Brejo da Madre de Deus, no Agreste.

A delegada informou ainda que duas das vítimas eram de Paulista e duas de Maceió (AL).
G1

O Sabadão – Será que a dor ensina muita gente?

Por Sérgio Leão

Todas as vezes que faço um comentário neste site e coloco uma interrogação no título é para deixar os leitores bem a vontade no sentido de opinarem para si mesmos, e concordarem ou não, afinal o livre direito de  se opinar com relação a crônicas é sagrado, embora exista uma infinidade de pessoas que vivem a margem de tudo que é decente e desta forma existem também muitas opiniões que nem o diabo gosta! Neste Sabadão eu me inspirei em um trecho de uma música que diz que  a dor vai ensinando a gente, o que absolutamente eu discordo veementemente, em razão do que tenho visto em todos os meus anos, e sem medo de errar eu digo que são raríssimos os que se incluem nesta reflexão conforme o que tem acontecido na humanidade, composta hoje em sua maioria por seres humanos da pior espécie. Nos piores momentos a que somos submetidos diante da vida, apenas encontramos a piedade rapidamente como na hora da doença ou da morte, quando ficamos a mercê da nossa insignificância  e aí viramos cordeirinhos e bonzinhos, mas é só a dor passar que voltamos a ser impiedosos, sem caridade, sem solidariedade  e a pele de lobo vota a nos vestir acabando a farsa humana, que não assimila o ensinamento que a dor nos proporciona.

Lembro-me  de alguns episódios onde pessoas aparentemente dotadas de cidadania tiveram que passar por momentos de extrema dor, devido a grandes percas de entes queridos ou até mesmo de graves enfermidades e nestas ocasiões pude testemunhar lágrimas em abundância e até desmaios em cemitérios e estabelecimentos hospitalares. O desenlace destas ocasiões sinistras deveria ser com uma radical mudança de comportamento, passando a ser prioridade o aprendizado de que em um piscar de olhos poderemos está totalmente dependendo de outras pessoas, muitas  vezes até para cagar e mijar. Entretanto, muitas e muitas vezes as pessoas que passam e escapam dessas dores atrozes são incapazes de aprender e muito menos de mudarem suas atitudes, relacionadas ao lado humano, e logo voltam a exercitar com maestria e sem limites a hipocrisia e a canalhice como se nada disso afetasse a Deus e nunca mais viessem a sofrer dores iguais ou piores. É inconteste a conclusão de que o ser humano não tem mesmo jeito, que só fica bonzinho quando está necessitando dos outros e nem assim aprende que dor é hoje porem pode ser amanhã a sempre, desde que seja permitida pelo Criador! Neste tal momento de pandemia, fica ratificado o mau caratismo impregnado na grande totalidade dos humanos, que a princípio dava ares de mudanças profundas, mas foi só se habituarem com o novo cornavirus que tudo voltou ao “normal” atestando-se desta forma que a dor não ensina a gente, absolutamente.

Trabalhadores dos Correios decretam greve no país

Após assembléia realizada nesta segunda-feira (17) funcionários dos correios decidiram entrar em greve por tempo indeterminado. A greve começará a partir das 22h desta segunda-feira. A reunião aconteceu entre trabalhadores e representantes da classe. As principais reivindicações dos profissionais são as condições de trabalho. Os trabalhadores também são contra o cancelamento da convenção da categoria, redução de salários e benefícios.

Em nota, a Federação Nacional dos Trabalhdores em Empresas de Correios (Fentect) informou que “diante da ausência de negociação por parte da direção da ECT e retirada de direitos e negligência da empresa com os trabalhadores ecetistas durante a pandemia da Covid-19, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (FENTECT), junto com os sindicatos filiados, se mobilizam para deflagrar grande greve nacional por tempo indeterminado”.

O Sabadão – Multidões nas ruas do Brasil a caminho da morte

Por Sérgio Leão

Com a extrema necessidade de se movimentar a economia do país, as autoridades governamentais e sanitárias têm constantemente afrouxado as medidas restritivas para prevenção do avanço da COVID19, o que tem levado milhões de brasileiros as ruas e a exigência do cumprimento dos protocolos virou piada, pois em todos os lugares isso não acontece, e quem tem procurado se proteger está a mercê da desobediência do povo brasileiro. Imaginem os senhores leitores da coluna, uma fila de 50 pessoas em frente a uma lojinha só pra comprar coisinhas bobas e sem a mínima ne necessidade! O que há de essencial para se compra em um shopping, por exemplo? Absolutamente nada, mas em todos estes centros de compras, se formam filas enormes de mauricinhos, patricinhas, desocupados e compradores nos cartões de crédito, todos sem nenhuma responsabilidade com suas vidas nem de seus familiares. A reabertura de bares e restaurantes é outro fator de risco sem precedentes, onde o tal do protocolo só é obedecido na entrada, enquanto no interior  destes estabelecimentos o novo corona vírus anda de mesa em mesa, aproveitando-se do vacilo, dos apertos de mãos e dos abraços inevitáveis em mesas de bares, principalmente.

Filas de bancos, feiras livres, transporte público, pancadões e festinhas particulares  de “bacanas” reúnem multidões tanto quanto nas principais ruas das grandes cidades e até de cidades menores onde todos os serviços essenciais se concentram em um mesmo espaço, o que leva as pessoas a saírem nas ruas sem medo de contrair um vírus que já matou mais de 100 mil brasileiros e contaminou mais de 3 milhões. Mas em nenhum lugar tem mais gente sem máscaras, sem álcool gel e muito menos distanciamento social do que nas praias brasileiras; ainda tem uns enganadores medíocres querendo criar normas para que os banhistas fiquem distantes uns dos outros, como se isto fosse possível! Nas agências bancárias o distanciamento não obedece a exigência das  autoridades sanitárias e em vários lugares acontecem agressões por parte de brasileiros nojentos (muitos)    que não querem nem ao menos usarem as máscaras. E após estes primeiros cinco meses de perdas de parentes e amigos nos resta apenas uma certeza: além da falência total do Brasil  existe uma grande multidão de brasileiros infectando e sendo infectada,  e a caminho da morte!!!!!!!!!!