Coluna “Politicando” será o novo espaço para política de Bezerros e região

A partir do próximo domingo o site Bezerros Agora integrado com suas redes sociais vai debater política com seriedade e responsabilidade, na coluna “Politicando”. O espaço será assinado pelo comunicador Sandro Silva que também integra o programa Conversa Afiada na rádio 104FM.

Então fique ligado, no próximo domingo o tema é política, do jeito que você gosta!

Imbatíveis, Cajazeiras e Asa Branca farão a grande final do futebol 2019 em Bezerros

As semifinais do Campeonato Bezerrense de Futebol confirmaram as expectativas, e as equipes de Cajazeiras e Asa Branca passaram pelos adversários e se classificaram para grande final da competição no próximo domingo, dia 17, no campo do Parque de Santo Amaro II, na cidade de Bezerros-PE. No clássico da cidade, a Asa Branca, venceu o Santo Amaro II por 2X0 no primeiro jogo enquanto Cajazeiras venceu o Sítio dos Remédios de virada por 2X1 no confronto rural e protagonizam mais uma decisão entre a zona urbana e rural na final do campeonato, acirrando ainda mais a rivalidade vantajosa para os times campesinos que conquistaram 04 títulos contra 02 dos times da rua.

Na rodada deste domingo, dia 10, o time da Asa Branca marcou logo 02 gols no tempo inicial de jogo e manteve a vantagem até o final, sendo assim o primeiro classificado para a final de forma invicta. No segundo jogo do Parque Santo Amaro II, Cajazeiras espantou a zebra do Sítio dos Remédios, que terminou o primeiro tempo na vantagem, ganhando por 1X0, porém logo no início do segundo tempo os azulinos empataram e em seguida viraram o placar conquistando assim o direito de disputar o título máximo da temporada, também sem conhecer derrota. Na final de domingo, os imbatíveis times de Cajazeiras e Asa Branca farão um jogo de grandes emoções e espera-se um bom público, a exemplo do que ocorreu nos jogos das semifinais.

O Sabadão – Educação dos nojentos

Por Sérgio Leão

Assistindo o Bom dia Pernambuco desta sexta-feira, ratifiquei mais uma vez que a minha impressão sobre a educação de grande parte do nosso povo, anda bem distante dos bons costumes exigíveis aos filhos de Deus de verdade. Na reportagem podemos sentir quão indignados estavam, o ancora e o repórter, diante da quantidade de lixo que as pessoas descartam em qualquer lugar, desta feita em uma estação do Metrorec, onde vários passageiros são flagrados pelas câmaras de monitoramento, jogando tudo que carregam fora dos coletores e lixeiras, mesmo estando a menos de um metro de distância dos lugares adequados para se colocar lixo. Na linha por onde transitam os trens o absurdo é ainda maior, com milhares de sacos plásticos jogados pelos usuários do metrô fazem do cenário um verdadeiro depósito de materiais descartáveis.  Jogar lixo em todos os lugares parece ser algo normal aqui no Nordeste e em Recife quem andar pelo centro da cidade vai se deparar com um grande número de pessoas jogando lixo nas ruas, desfigurando os cenários e deixando uma péssima impressão para os turistas, especialmente os europeus, que costumam visitar nossa capital o ano todo. Nas belas praias nordestinas a quantidade de lixo que se recolhe num final de semana, daria para fazer a entrada do inferno, onde habita a sujeira e o enxofre reservados para os que vivem a margem de tudo que é recomendável aos escolhidos pelo Senhor.

É absolutamente incompreensível que no ápice dos avanços tecnológicos ainda tenhamos que conviver com tantos indivíduos se comportando como porcos e com uma educação tão semelhante a dos jericos que vivem a solta nos estados nordestinos; o pior é que essa nojeira humana, não é só praticada pelos pobres diabos que nem sabem o que estão fazendo aqui no planeta, mas também por pessoas esclarecidas e muitas formadas em universidades, que se assemelham mais ainda aos urubus, apreciadores de carniças. E olhem que não é só nesse sentido que a nossa educação assemelha-se a dos asnos não: as boas maneiras são esquecidas por muita gente metida a cocô, que praticamente ignoram os cumprimentos e saudações obrigatórias a quem ostenta, mas nunca dá bom dia ao chegarem aos ambientes de trabalho. Isto ocorre com frequência em nossa Biza City, onde bom dia, licença e muito obrigado é quase um sacrifício para nossos papangus de novenas, que também têm o hábito nojento de  jogar lixo nas ruas da cidade, inclusive educadores, médicos, gerentes, universitários e outros tipos de porquinhos de duas patas. É comum encontrarmos  também pessoas metidas com as unhas sujas e até com um cheirinho de gambá, usando roupas fedidas sem nem se importar com o desconforto que causam as pessoas que preferem ser educadas, independente de posição social. Desta maneira vamos seguindo, sem nem nos ligarmos que não somos irracionais e que a limpeza é algo que agrada a Deus, pois lá no paraíso não tem lugar para os nojentos não!